sexta-feira, 17 de abril de 2009

Criança, só no banco de trás.

Na fatídica terça-feira (14/04), saí com Otto de carro para visitar minha prima que mora no sul e está passando o mês na casa da mãe em Rio do Ouro. Estou a uma semana prometendo ir visitá-la e conhecer sua bebê de 2 meses. Lá fomos nós!
Saí de casa depois que dei o lanche, para ele não reclamar de fome, já que não seria um percurso pequeno o que iríamos fazer.
Abasteci o carro e na Gavião Peixoto, Otto começou a reclamar e comecei a cantar, já que o som do carro parou de funcionar no fim de semana, para distraí-lo.
Na rua de acesso ao túnel, Otto começou a chorar forte, e como não é de fazer escânda-lo me assustei e olhei pra trás, e pronto. Bati com a quina do lado esquerdo, na traseira do lado direito de um carro.
Gente, quase morri do coração, mas como ando numa velocidade tranquila, nada mos aconteceu, Graças ao Bom Deus.
Saí do carro nervosa e tremendo e tirei o Otto rapidamente com cadeirinha e tudo.
Isso mesmo, CADEIRINHA! Lugar onde OBRIGATORIAMENTE os bebês e as crianças devem passear, viajar, ficar dentro do carro, mesmo com choro.
Imaginem, se o Otto fosse maior e o deixasse solto no banco de trás, por menor que tenha sido a velocidade em que bati, e por menor que seja o trajeto, o peso do bebê triplica e ele é projetado para frente.
Além de estar na cadeirinha, ela deve estar virada para a parte traseira do carro, pelo menos até 1 ano, uma vez que ele não tem estrutura pra segurar a cabeça e pode até lesionar a coluna, numa situação dessas.
Depois de 1 ano, devemos colocá-la na parte central do banco de trás em posição normal, ou seja, virada para a dianteira do carro.
Por sermos sensatos e seguirmos as leis de trânsito, eu e o maridão, é que o bebê não sofreu nada, só mesmo o susto.
Portanto fica a lição, que deve ser aprendida sempre que nos deparamos com situações como esta.
Jamais, em hipótese alguma transitem com a criança ou bebê no colo, no banco da frente, ou solto no banco de trás do carro. Além de ser proibido pelo Código Nacional de Trânsito, esta é uma prática que oferece risco altíssimo. O correto é em sua cadeirinha, preso no cinto de segurança.
E assim ensinamos desde cedo, que lugar de criança é no banco de trás e com cinto de segurança.
Fica a dica.
Obrigada pela visita.

quarta-feira, 15 de abril de 2009

Engatinhando

Seguidores e leitores, hoje o Otto engatinhou realmente.

O Otto está engatinhando, delícia! Engatinhou com o Papai no sábado (04/04), quando estava completando 8 meses. A mamãe foi ao salão cuidar da beleza e o papai ligou todo bobo, contando que ele tinha engatinhado um pedação, uhuuuuuuuuu!
Ontem (08/04) ele estava no chão, deitado e de repente quando olhei estava sentado, ops! Aprendeu a sentar sozinho, acontece muito rápido.
Hoje, estava aqui, conferindo e-mail, quando olhei já estava ajoelhado e agarrado na cadeira da mesa de jantar, fazendo força pra ficar em pé, ai Jesus!

Até ontem ele estava dando umas "engatinhadas" mas não dava continuidade, se jogava no chão e se arrastava.
Mas hoje, pra alegria da Mamãe ele relamente engatinhou, vou postar o vídeo do meu baby mas antes, vou postar uma reportagems sobre ENGATINHAR:

"Por volta dos sete ou nove meses, o bebê, que antes só sentava ou ficava em pé no berço, começa a pôr os braços e pernas em movimento e parte para descobrir o mundo engatinhando. Contudo, esta fase de rastejar pelo chão pode trazer alguns problemas, que não são grandes, mas que assustam as mamães de primeira viagem.
Uma vez que ele começa a engatinhar, irá necessitar de espaço e, principalmente, de cuidados para que não se machuque e proteja sua pele, que apesar de resistente, é bastante sensível e delicada e exige total atenção das mamães.
A pele funciona como uma importante barreira de proteção contra infecções e erupções cutâneas, por isso, quando o bebê engatinha sua pele geralmente fica bastante ressecada nas mãos e joelhos, as quais são as partes que mais entram em atrito contra o solo e às vezes podem aparecer algumas alergias. É sempre bom passar um hidratante nestas partes mais ressecadas, fale com o médico para saber qual é o produto mais adequado para a faixa etária da criança, mas tome cuidado para não exagerar na dose.
Em relação às roupas para o nosso pequeno explorador, a pediatra e psicanalista, Regina Garibaldi, fala que devem ser as mais leves e adequadas. “É providencial usar calças com acolchoados ao nível dos joelhos e também meias com antiderrapantes, para evitar ferimentos e escoriações. Caso aconteça, é necessário lavar bem as feridas com água e sabão neutro para evitar infecções”, conta.
É necessário também tomar alguns cuidados em casa como deixá-la sempre limpa, especialmente o quarto do bebê. Os pais devem evitar que seu filho tenha muitos bichinhos de pelúcia, pois eles absorvem muita poeira e a criança, nesta fase, tem mania de colocar tudo na boca, inclusive as mãos e os pés, levando sujeiras e muita poeira para dentro da boca. Isso serve também para os que usam chupeta. Não se esqueça de lavá-la toda vez que ela encostar ou raspar no chão. Isto pode trazer sérios problemas para a saúde do bebê, pois junto com essas sujeiras os bebês estarão engolindo bactérias e outras coisas que poderão causar alergias e infecções.
Além desses cuidados, a pediatra fala que um outro aspecto importante é a prevenção contra acidentes. Tomadas, objetos pequenos que possam ser levados à boca, forros de mesas com pontas que beiram o chão (o bebê pode puxar essas pontas e todo o conteúdo da mesa virar em cima dele), falhas no piso, remédios ou produtos químicos guardados em gavetas baixas, tudo isso pode ser o protagonista de um grande acidente. Fique sempre atento aos movimentos do seu filho, pois todo cuidado é pouco!"

Fonte: http://guiadobebe.uol.com.br/


Toques de Amor

Nos primeiros meses, os bebês se desenrolam da posição fetal e alongam os músculos, abrem as articulações e coordenam os movimentos. A massagem Shantala, trazida da Índia é adequada a esses meses de formação. Motiva a coordenação e a elasticidade muscular, ajudando a preparar o bebê para as habilidades físicas e coordenadas que se seguirão.
O hábito de massagear o bebê é um dos mais eficientes para criar e fortalecer a ligação entre pais e filho. O Otto adora não só a massagem como o carinho, fica todo arrepiado e acha graça, fica quietinho recebendo, uma graça.
A massagem relaxa e provoca bem estar. O interessante é começar o quanto antes a massageá-lo, na segunda semana de vida foi quando comecei com o Otto e prossiga até quando vocês desejarem.
Eu providenciei creme hipoalergênico, indicado pela Pediatra dele pois o Otto tem dermatite atópica e não pode usar óleos comuns, mas eles são utilizados normalmente, bons são os que acalmam, como de calêndula ou camomila.
O ambiente deve estar tranquilo e o bebê também ou seja, sem fome, de estômago cheio, enjoado não é interessante fazer.
Escolha uma hora que estejam você e seu bebê somente em casa, deixe-o sem roupa. Os movimentos devem ser leves, lentos e regulares. Li uma vez que no primeiro mês não é interessante tocar na região do abdôme, mas não sei explicar o porque.
Os movimentos, são leves e geralmente levando da cabeça, rosto para as extremidades (dedos), passando pelso braços.
Mas cada bebê tem uma sensbilidade, por exemplo o Otto sente cócegas na região da cintura, então evito fazer aí, só passo a mão, bem de leve.
Eu sempre massageio todo o corpinho, bem lentamente, inclusive as costas e vou até o bumbum, ele adora.
Nas pernas eu envolvo a coxa com a minha mão e desço em direção ao pé com movimento de rosquear. Sempre usando óleo ou hidratante de sua preferência.
Nos pés é interessante, massagear com o polegar, deslizando até o calcanhar e depois com a palma da mão
O importante, além de ser carinhosa e leve nesta hora, é a troca de olhar, de confiança, de amor, de cumplicidade entre nós.
Isso não tem preço.
Vamos lá mamães, vamos praticar o toque de amor!

Depois volto com mais, resolvi dar atenção ao meu blog e torná-lo de utilidade para as mamães de primeira viagem como eu, com minhas experiências com esta Nova Vida dada por Deus.

Janaina

Oitavo Mês.

É por volta do oitavo mês que o bebê começa a se conscientizar de sua individualidade. Essa constatação costuma deixar as crianças bastante ansiosas e faz com que elas estranhem as pessoas. Por isso o bebê começa a chorar quando vai para o colo de uma visita, coisa que não fazia antes.
Sua coordenação motora vai se aperfeiçoando. Sentado, inclina-se para a frente e recobra a posição anterior sem ajuda dos braços. Consegue também segurar dois brinquedos ao mesmo tempo e soltar apenas um deles para apanhar um terceiro. Fica em pé quando seguram suas mãos. Sentado, vira-se em todas as direções. Começa a mover o polegar em contraponto aos outros dedos da mão, o que lhe possibilita segurar objetos com os dedos e não mais com a mão inteira.
Agora que o bebê já fica de pé apoiando-se nos móveis, deve-se verificar se há algum móvel que não suporta seu peso e que possa cair sobre ele. Outro ponto que deve ser testado é se as cortinas estão firmemente presas, para não despencarem sobre a criança.
Começam também a aparecer as primeiras manifestações de fúria, como quando ele é deixado no quarto ou a mãe retira de suas mãos algum objeto que ele deseja explorar.
O bebê já pode ser colocado no andador (quando aceitar bem esse acessório), mas isso só pode acontecer durante uns dois meses. Apesar do que se diz a respeito, o andador não faz a criança andar mais rápido, apenas funciona como um exercício que lhe fortalece a musculatura das pernas. Muitos especialistas são contra seu uso, rebatendo que engatinhar ou mesmo se arrastar são movimentações muito mais benéficas, pois neles a criança se movimenta por si mesma. De qualquer forma, quando está no andador, o bebê deve permanecer sob cuidado constante, pois pode virá-lo a qualquer momento, uma vez que ainda não têm nenhum equilíbrio para manobrá-lo.
8° mês completo
Peso Meninos –
8,4 kg
Estatura Meninos –
68 cm

Fonte: www.mambaby.com

quarta-feira, 1 de abril de 2009

Primeira Arte e o susto na Mamãe!

Esse menino está um sapeca gostoso.
Adora Backyardigans, Cocoricó e todas as músicas das aberturas dos programas de Tv, se tiver música ele logo se balança e sorri.
Esta com 4 dentinhos e por conta deles quer morder tudo.
Então vou contar o susto.
Ele não engatinha, mas se arrasta pela casa inteira e ontem estava na cozinha preparando a sopa do jantar dele e precebi o silêncio e pensei, ops! Cadê Otto?
Fui na sala e olhei no colchonete e...nada! Me deu um frio e olhei no quarto dele e não estava lá, vixi, quase morri quando o vi.
Foi pro móvel da Tv, descobriu o fio da tomada dentro do rodapé, puxou e estava mordendo, gente! Puxei ele rapidamente dali com o coração na mão.
Me senti péssima mãe por não ter tomado conta dele, mas foi rápido demais.
Mas, sei que faz parte e temos que cuidar para que não aconteça o pior mas os sustos são inveitáveis.

Por conta disso vou postar uma reportagem sobre os perigos dentro de casa:

Os bebês são muito curiosos, principalmente quando estão engatinhando e andando. Interagir com objetos e explorá-los, conhecer todos os cantinhos da casa, enfim rapidamente os pequenos dominam todo o espaço e o que há neles.
Portanto, tornar a casa segura é fundamental para que a criança não se machuque e para isso precisamos entrar na perspectiva visual dos pequeninos e achar todos os perigos da casa. Veja abaixo algumas dicas de segurança nos ambientes da casa:

Janelas e sacadas: em todos os ambientes deve haver redes de proteção ou grades. Evite deixar cadeiras e sofás próximos a redes ou grades para evitar que a criança escale.


Protetor de tomada: cubra todas as tomadas com protetores, a fim de evitar choques.


Móveis: proteja quinas afiadas com cantoneiras e mantenha-os longe de janelas e cortinas, a fim de que a criança não o escale.


Berço: as grades do berço devem ter no máximo 5cm entre elas.


Eletrodomésticos: proteja todos os fios de eletrodomésticos para que a criança não os puxe.


Escadas: coloque portões de segurança no topo e pé das escadas.


Produtos de limpeza: mantenha-os em lugares inacessíveis a criança e evite colocar em outros recipientes, como garrafas de refrigerantes, para que a criança não ingira erroneamente.


Cozinha: proteja o fogão, principalmente o forno. Coloque os objetos que ficam em cima do armário próximos a parede. Na cozinha vale a pena colocar portão de segurança. Deixe as panelas com o cabo virado para a parede.


Fósforos e isqueiros: mantenha-os num armário alto.


Sacos plásticos: mantenha em lugares inacessíveis a criança, a fim de evitar sufocação.


Plantas: informe-se sobre as espécies que podem causar intoxicação e urticárias se ingeridas. Evite tê-las em casa e deixe as plantas em lugares altos e próximos a parede.


Banheiro: deixe a porta fechada a fim de que a criança não se aproxime do vaso sanitário e espelho. Guarde em armários inacessíveis lâminas de barbear, tesouras e secadores.


Água: deixe baldes e banheiras sempre vazias.


Remédios: deixe-os guardados em armários altos, evite deixá-los baixos, num criado-mudo, por exemplo.


Brinquedos: não ofereça brinquedos que ofereçam risco a criança com peças que se soltam, a fim de evitar que a criança ingira ou se machuque. Antes de adquirir um brinquedo confira se há o selo do Inmetro.

Denise Gurgel Barboza

Fisioterapeuta

CREFITO 34310-F

Curso Shantala