quarta-feira, 16 de novembro de 2011

Campanha Papai Noel dos Correios – Solidariedade é o melhor presente!

Foi lançada na última sexta-feira, 11 de novembro, a Campanha Papai Noel dos Correios. Através dela, milhares de crianças que escrevem ao bom velhinho têm a possibilidade de ter suas cartas respondidas e seus desejos realizados na época do Natal.


A Campanha acontece há 22 anos e desde o ano passado os Correios passaram a fazer parcerias com escolas públicas, creches e abrigos que atendem crianças carentes, usando a carta ao Papai Noel para incentivar o desenvolvimento da habilidade da redação, além de fazer com que aprendam a endereçar, usar o CEP e o selo postal.

Depois de lidas pelos voluntários, as cartas passam por uma triagem e ficam à disposição na casa do Papai Noel ou em outras unidades dos Correios para serem apadrinhadas por qualquer pessoa que queira presentear uma criança no Natal.

A entrega dos presentes acontece nos pontos divulgados pelos Correios que fica responsável pelo envio para o endereço a que se destina sem entrega direta dos padrinhos.

Segundo informações dos Correios, “em 2010, em todo o País, foram postados 1.239.084 de cartas destinadas ao Papai Noel dos Correios. Desse total, por meio da campanha, foram entregues 685.698 presentes.”

Quem não puder apadrinhar uma das cartas mas quiser participar, pode atuar como ajudante do Papai Noel, lendo, cadastrando informações, separando as cartas que vão ser disponibilizadas a espera de um padrinho. Ajuda é sempre bem-vinda!

No hotsite da campanha há mais informações como cronograma e pontos de apadrinhamento nas diversas cidades do país.


Papai_noel_correios




Que tal ser um Papai Noel de verdade e realizar sonhos de crianças de todo Brasil?



:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::


Campanha Papai Noel dos Correios – www.correios.com.br/papainoelcorreios2011

quinta-feira, 10 de novembro de 2011

Pra que serve um cofrinho?

Antes de fazer 3 anos, resolvi dar ao Otto um cofre.
Porque acho importante a criança ter alguma noção de dinheiro, economia dele, gasto dele, desde logo.
Acho importante que isso seja visto como algo que faz parte do dia-a-dia e ficando natural no entendimento dele que ter, guardar e gastar tem consequência.
Expliquei que servia pra juntar moedas e que depois de muitas juntas poderia comprar algo que ele queria.
Mas, na certeza de que não tinha assimilado totalmente (até porque fazendo é mais legal), esperei que ele juntasse pra pôr em prática minha idéia.
E ele gostou disso e não podia ver moeda dando sopa que já falava logo: Mamãe posso colocar no cofre?

Ponto pra mim: primeira fase assimilada. JUNTAR É LEGAL!
Nem que seja pelo barulhinho que juntas fazem dentro do cofrinho, risos.

E seguiu, sempre juntando moedinhas.

No dia das crianças, ele ganhou um trator e adorou!
Ele sempre via na rua e ficava encantado, gritando, etc.
Brinca bastante, pega a areia e...ele percebeu que não tinha onde colocar a areia quando pegava com o trator, até porque viu, na rua, ele colocando a areia no caminhão vermelho.

Mais que rapidamente ele me pediu: Mamãe você me dá um caminhão vermelho pra eu colocar areia com o meu trator.
E eu, sem pena disse não. Já te dei a máquina.
Sabe o que você pode fazer, usar o dinheiro do cofrinho, pra comprar o caminhão.

Ele ficou meio quieto e disse, posso comprar com o dinheiro do cofre?
E eu disse pode. Só temos que saber quanto dinheiro você tem e se dá pra comprar um caminhão vermelho.

Me adiantei e a noite contei quanto tinha no cofre, R$ 20,00.
E no dia seguinte, claro, fui a loja onde sempre compramos e falei: Gente preciso de um caminhão vermelho de no máximo vinte reais.
Expliquei a elas a estória e elas adoraram participar da minha loucura, risos.
Só tinha um, guardaram pra mim e combinei com elas que no dia seguinte iria com ele comprar. Dito e feito.

No caminho pra loja expliquei que ele teria que deixar o dinheiro que estava ali dentro, na loja com a menina, pra poder levar o caminhão. Que o cofre ia ficar vazio, entendeu Otto? Entendi Mamãe.

Chegamos...

E ele perguntou: tem um caminhão de vinte reais?
A menina atendeu e falou, acho que tenho.
E ele ficou observando ela ir buscar, rindo e eufórico, quando trouxe ela perguntou, serve esse?
E ele perguntou: é vinte reais?
Daí, expliquei que teríamos que tirar o dinheiro do cofre e contar, pra ver se dava pra pagar o caminhão (tinha que criar um clima, risos)

Espalhamos as moedas no balcão ele olhou pra menina e: me ajuda a contar? (como se soubesse!)
Ela contou e viu que sobravam trinta centavos e disse a ele, olha você vai pagar seu caminhão e ainda vai sobrar dinheiro.
Ele perguntou se podia colocar novamente no cofre e guardou as moedas.
Depois virou pra elas e disse: vou juntar mais pra comprar outra coisa.

Ponto pra mim: segunda fase assimilada. JUNTAR É LEGAL. GASTAR É MAIS LEGAL AINDA!

Ele sendo tratado como cliente, risos.
Elas peguntarm: quer uma sacola?
E ele: Quero, porque vou levar pra creche pra brincar com meus amigos.

Se despediu das meninas, com muitos beijos, agradeceu e fomos felizes, a mãe mais ainda...de poder ensinar de maneira lúdica, pro meu menino.
Na certeza de que assimilou e muito bem. Lição Aprendida!
Adorei e vocês?!

Jana, Mamãe do Otto.









quinta-feira, 3 de novembro de 2011

3 anos e 3 meses

Dica para as Mamães:
Seu filho está aperfeiçoando uma tática que ele começou a experimentar quando ainda era um bebê: a imitação. Aproveite para incentivar bons hábitos alimentares e cuidados com a higiene.


3 anos e 3 meses

Não interfira, não comente, apenas observe o seu filho brincar. Você pode se surpreender ao perceber quantas coisas ele já aprendeu.
Nesta idade, algumas crianças costumam imitar o pai ou a mãe durante as brincadeiras. Mais do que uma simples mímica, esse comportamento reflete a fascinação dos pequenos pelos diferentes papéis familiares.


Os meninos tendem a repetir os gestos do pai. As meninas se inspiram nas ações da mãe. A brincadeira também pode refletir alguns detalhes do ambiente familiar.

A velha tática de imitar para aprender, que o seu filho começou a experimentar quando ainda era um bebê, dá provas de que funciona mesmo. Assim, aproveite essa fase para incentivar o pequeno a adotar bons hábitos almentares e alguns cuidados com higiene.

Fonte: http://www.bebe.com.br/
---------------------------------------

Otto é um menino tranquilo.
Ele sempre obedece quando pedimos algo a ele, até porque sempre somos bem suaves, não ordenamos aos berros (tenho verdadeiro pavor de gritaria, bate-boca). Mesmo quando chamamos a atenção ou pedindo pra não mexer algo,  fazemos isso com naturalidade e sempre pedindo por favor e agradecendo ao final.

Mas, sim ele tem personalidade forte e quando é contrariado fica bravo, mas nada que uma ajoelhada nossa pra olhar no olho e uma boa conversa, não resolva.
Não é fisicamente agressivo com ninguém.
Brinca super bem com os primos e amiguinhos que frequentam nossa casa, sejam maiores ou menores.

Mas, além de claro ser da personalidade da criança,  o ambiente em que vive, reflete em suas atitudes, influi em sua personalidade.
E a gente que SEMPRE o melhor pro nosso filho!


Jana, Mamãe do Otto.

terça-feira, 1 de novembro de 2011

Niver do Maridoco

E a vida vai passando...

O amor se intensificando...

A cumplicidade aumentando...

E a felicidade se fixando.


Pois é, o amor da minha vida¹ faz 35 anos hoje.
Estamos juntos a 13 e ontem conversando, percebemos que...não percebemos.
Não percebemos como passou rápido, e perguntamos, será porque?
E nos respondemos em seguida, porque foi bom demais!
Porque foi sutil, foi amável, foi divertido, foi cheio de sorrisos, foi leve.
Digo foi, no sentido de ter sido. O que passou...

Porque nos dias de hoje, é ainda melhor.
Porque somos maduros.
Porque aprendemos a aceitar as coisas.
Porque crescemos e evoluímos.
Porque viemos a esse mundo pra sermos felizes...

Agradeço a esta criatura linda, amável, tranquila, sorridente, sexy...tudo o que aprendi nesses 13 anos.
Gu, obrigada por tudo.
Feliz Aniversário!
De casamento, 8 anos.
De vida 35.


Jana, Mamãe do Otto.