sábado, 27 de fevereiro de 2010

É o cachorro que escolhe o dono.

Foi assim...desde que casamos e morávamos em apto o Gu passava na rua via o filhote sendo vendido e falava: "se tiver um cachorro um dia, será desse".

A vida tratou de seguir, tivemos o Otto e nos mudamos...

Sinceramente, vontade tínhamos, mas me desanimava só de pensar em mais um pra cuidar.
Porque pra gente é como criança, tem que dar banho, dar comida, vacinar, dar carinho e atenção.
Até porque conviverá com nosso Otto, então, não é porque é cachorro que não vai ser limpo e bem cuidado.
Não quero um portador de doenças ambulante e sim um companheiro pro pequeno.

Então, na quinta, chegaram aqui em casa 8 filhotes de labrador e o Otto, como toda criança, ficou encantado.
Mas, um em especial chamou a atenção do Otto e a minha, aliás, nós é que chamamos a atenção dele.
Porque foi ele quem ficou atrás do Otto desde que entrou aqui, foi o primeiro dos 8 a relaxar e se sentindo em casa deitou e dormiu.
Na hora da ex-dona ir embora achei que fosse chorar ou sair atrás, que nada, ficou deitado no chão olhou pra ela e nem se manifestou.
Achei lindo, falou com o olhar: "eu fico, vou morar aqui..." (Nessa hora ainda estava em dúvida entre dois machos, mas a atitude dele foi decisiva).

Passei a acreditar que é o cachorro que escolhe o dono.

E, como a gente quer sempre proporcionar o melhor pros nossos filhos, ficamos com o Auau (nome provisório).
Com a aquisição dele, me remeti a minha infância e as ótimas lembranças com os vários cachorros que tive.
Da farra, da felicidade que trazia pra casa, dos chinelos ruídos, das fugas, das lambidas e patadas pra acordar a gente.
Desse "remember" vem a certeza de que a vida do meu filho e da minha casa será ainda mais feliz e alegre com o Auau por aqui.

São 3 dias de convivência e já estão amigos.
Na primeira noite, achamos que o cachorro fosse dar trabalho, mas ao invés disso o Otto não nos deixou dormir, acho que pela euforia de ter um auau, reclamou, resmungou, acordou a noite inteira.
O auau já faz suas necessidades no quintal, come e bebe por lá mesmo.
Ele aprende rápido.

Vou terminar agradecendo a Raquel.
Ei, linda, você indiretamente nos proporcionou a realização do desejo da família.
E por confiarmos na procedência e sabermos da sua dedicação com sua cadela (com vitaminas na gestação, vermífugo e até ultrassom), adquirimos sem medo um filhote seu.
Parabéns por cuidar tão bem deles, são todos lindos.
Mas o meu é o mais lindo de todos, risos.



Obs: O Auau foi batizado, se chama Luke e segundo o meu marido tem sobrenome Skywalker, aff. Só ele mesmo pra colocar o nome do cachorro Luke Skywalker, um viciado em Star Wars.
Mas, pra mim é somente Luke e pro Otto "uki".




quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010

Paixão por fotolivro.

Gente, estou literalmente engatinhando nesse assunto, mas adooooro e me distraio muito criando as páginas.
Comecei mesmo com scrapbook, de curiosidade e derrepente me vi criando o álbum de 1 ano do meu filho, por achar "demodè" aqueles albinhos comuns. 
Como vivo conectada, descobri na net o "tal" fotolivro e claro, curiosa que sou, resolvi arriscar (corajosa) e aprender sozinha esta arte.
Maridão comprou cd e livro de photoshop e lá fui eu, ler e aprender literalmente fuçando (se aprende bastante com dedicação desta maneira).

Bom, gente! O resultado está em algumas fotos que postarei abaixo do fotolivro do Lindão Otto.
Não exijam muito nem reparem tanto, é o primeiro...de uma série de muitos, assim espero.
Porque faço com prazer!






















Obs: Preferi fotografar do que incluir a arte aqui, para que todos vejam como ele fica montado.







sábado, 20 de fevereiro de 2010

Princesa Bella - 1 ano.





Ela é loira tem olhos azuis e uma personalidade marcante.
Acreditem, com 1 ano ela nos encanta e mostra, sempre que é contrariada, que sabe o que quer e ninguém a leva no bico, fácil não.
Dona de nossos corações, bendito fruto entre os netos.

Essa é Isabella.
Sapeca, esperta, birrenta, marrenta mas "bella" como só ela...

...Um ano de saúde, aprendizado e esperteza.
Porque pra sobreviver naquela casa, como a própria mãe diz, só se for no grito. E ela, esperta que só, percebeu isso rápido e hoje todos fazem o que ela quer.
E deixa a mãe louca com tanta mamada...

É sorridente, contente e faz a alegria de todos.
Seja pelas gostosuras, pela belezura ou até mesmo quando dá show e não aceita ir no colo de ninguém.
Só serve, papai ou mamãe.
E, como já disse, ninguém a convence do contrário não.

É amada, enfeitada e linda!

É bela, a Isabella!

Por: Tia Jana.


quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

Gravidez tranquila, filho tranquilo. Será?

Bom queridas...desde que engravidei me empenho ao máximo pra ler e estar sempre informada sobre:
cada semana gestacional,
cada coisa importante que estava acontecendo em meu corpo,
cada exercício,
cada cardárpio,
cada atitude e principalmente como o meio exterior, minhas atitudes e minha reação a cada coisa (estresse, euforia, felicidade) influenciariam na personalidade e até no organismo do meu bebê.

Daí, você me pergunta, como?
Claro que sozinha, não conseguiria fazer isso e tive a ajuda primordial do meu marido.
E nossa gravidez foi a mais tranquila possível.
Decidimos que assim seria quando em minha primeira gravidez, que foi gemelar e durou quase 3 meses, sofri abortamento.
Como me estressava demais onde trabalhava, observei que isso poderia ter me afetado e claro influenciado, não ter sido o motivo único, pois acredito ter sido má formação o que acontece na maioria dos abortamentos.
Mas, algum tempo depois de ter sofrido essa perda, fui demitida. Pois é.
E com isso percebi que, a minha intenção de ter filhos não era bem quista onde estava.
Então, como tentaríamos novamente, melhor que não voltasse a trabalhar e curtisse minha gravidez em casa, não passaríamos aperto e assim foi feito.

A segurança passada pelo meu marido naquele momento me fez uma pessoa mais tranquila.
E em novembro de 2007, engravidamos do Otto.

Desde então e por toda a gravidez procurei não me aborrecer, o Gustavo só chegava em casa com notícias agradáveis e interessantes, os problemas ficavam do lado de fora (quando era possível).
Me alimentei bem, passeava bastante, fazia pesquisa de preço, ria muito com minhas irmãs e prima.
Claro que também conta o fato do universo conspirar a favor da grávida, na grande maioria das vezes, e acontece que as pessoas que se "achegam" tem sempre um sorriso, uma palavra carinhosa, uma energia boa.

Tomei todas as vitaminas, fiz tratamento odontológico, tomei flúor e tudo mais que a Gineco receitava ou recomendava. Mas claro que, como a maioria das grávidas, achei que podia tudo e comi messsmo.
Quero mostrar, relatando a vocês tudo o que fiz e passei, que o importante é manter-se calma, relaxada, tranquila.

Sempre pensava no bem do meu bebê.
Não queria que ele sofresse de cólica então não comi chocolate ou tomei refri na gravidez.
Não queria que fosse nervoso ao extremo então sempre respirava fundo ou conversava expondo quando algo não me agradava e procurava evitar transtornos sempre.
Quando a conversa não me agradava, levantava com a desculpa de ir ao banheiro e não voltava mais pra roda.
E assim segui, ouvindo muito palpite, dicas do arco da velha.
Segui balançando a cabeça e as vezes, sério mesmo, nem ouvia. Não por maldade, mas por abstração mesmo.

E por enquanto, consegui!
Meu bebê nasceu e não teve cólicas, mamou até 1 ano e 2 meses e largou porque quis, era e é super calmo (hoje com 1 ano e meio), sapeca, esperto, falante, mas nunca estressado ou nervoso. E não demonstrou até agora ser ansioso.
Claro que ainda demonstrará muitos de seus defeitinhos, mas pelo menos no que me competiu não somatizar, parece-me que consegui.
E fico feliz por poder proporcionar ao pequeno um primeiro ano sem sofrimento voraz, com alguns resfriadinhos e nada mais.

Com isso, observei algumas amigas que tiveram gravidez (tranquilas ou não), em épocas próximas a minha e vou relatar dois casos (o que não me dá certeza absoluta de nada):

O primeiro da minha irmã que teve uma gravidez movimentada, com estresse no trabalho. E o resultado é a Isabella, linda...mas elétrica, um pouco insegura (não sabe ficar longe da mãe), mamando desesperadamente, como se esfomeada estivesse (mas na minha opinião é ansiedade mesmo).
O que me leva a crer, que a gravidez pode sim influenciar no estado emocional e até na personalidade da criança.

O segundo de uma coleguinha, que também teve uma gravidez conturbada por problemas mil e está aí seu filhote, páreo duro com Isabella.
Esse, não mamou no peito, a mãe não teve leite por conta de estresse mesmo.
É elétrico, um pouco ansioso também.

Observei então que a gravidez tranquila trouxe criança tranquila.
A gravidez conturbada trouxe criança ansiosa, elétrica e as vezes estressada.

Gente, esse tema é coisa minha.
Nascido de obervações de pessoas ao meu redor.
Procurei na net algo a respeito e não achei. Só coisas relacionadas a alimentação, exercício e gravidez e filhos tranquilos.

Percebi e quero dividir com outras gravidinhas que, se policiem para que tenhamos no futuro:

filhos melhores para nosso mundo e não só um mundo melhor pros nossos filhos.

Abraços e beijos

Jana.

Receita de menino.


Junte duas colheres de sorriso com duas xícaras de gargalhada. Vá mexendo e acrescente cheiro de terra molhada misturada com cheiro de chicle de bola. Acrescente ainda muito chocolate, um pouco de castelinhos de areia, três pirulitos de uva e um caminhãozinho de imaginação.

Deixe descansar em baixo de um pé de manga e junte aos poucos a fidelidade de um cãozinho, a rapidez de um beija-flor, a esperteza de um golfinho. E, claro, não podem faltar todas as cores do arco-íris, uma caixinha inteira de band-aids e uma bacia cheia de pipoca.

Não se esqueça de juntar a sabedoria de um monge (claro, os meninos sempre sabem de tudo) com uma pitadinha de impaciência, uma dor de barriga passageira e muita, muita amizade, que deve ser acrescentada aos poucos, logo depois de um punhado de sonho e um prato fundo de criatividade.

Não podem ser esquecidos o pião, a pipa, a bicicleta e um par de chuteiras, pois meninos não se tornam meninos de verdade sem estes ingredientes.

Por fim, junte o gostinho da vitória em uma final de campeonato, com a maravilhosa sensação de um abraço apertado.

Pronto! Assim são feitos os meninos.


Fonte: Internet

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2010

1 ano e meio de felicidade!



Crescendo, crescendo e ficando cada vez mais esperto e falante.
Nós, papais e mamães, não cabemos em nós de tanta alegria, contentamento, orgulho...
...Sim orgulho, porque ouvir um pequenino pedindo "acença" (licença) pra você é algo que nem sei explicar, de tão lindo.

A gente ensina, ele aprende.

O vocabulário cresce a cada dia, a cada instante.
Quando você fala algo e acha que nem notou, ele tá lá repetindo, minutos depois.
E cresce também a personalidade, as demonstrações de vontade, o paladar.

Adora ir a praia, gosta do mar, aguça ainda mais a curiosidade na areia. Seja cavando ou comendo com biscoito ou pãozinho, risos!
Mas o que gosta mesmo é de caminhar, engata a primeira e vai...caminha muito a beira mar, de ter que insistir pra voltar. Vai gesticulando, falando, cantando, uma graça!

Domingo estávamos lá e me surpreendi, quando me olhou e falou: "caua" e apontou para os quiosques.
Perguntei, quer ir pra casa? Ele apontou, começou a andar em direção a rua e falou: "caua".
Então vamos chamar o Papai pra ir pra casa, não vamos deixar ele aqui sozinho (Gu estava pegando onda). Ele olhou pro lado onde estava o Pai e voltou, chegou na beira e falou: paaaaaaaaai caua. E foi embora, subindo a praia.
Gente, o que é isso, me colocando pra casa?! Aff...

Mas as surpresas não param por aí, pois todos os dias vou a praia com ele depois das 17h e ontem não foi diferente, brincou, caminhou, e...
... me puxou "cá" (agora deu pra fazer isso) pegou minha bolsa (aff), olhou pro mar e falou: "tau", mexendo a mãozinha!
Perguntei: quer ir pra casa? E ele: "caua", saiu andando.
Chega em casa, corre no jardim mexendo nas plantas pede pra abrir a porta e aponta pra tv falando: "adigan" (Backyardigans).
É minha gente, tem vontade própria.

Ele gosta muito do nosso quarto, pra fazer nada, só entrar e ficar olhando. Quando a porta está fechada é porque o Pai está dormindo atá mais tarde (fim de semana). Ele bate na porta e fala: "paaaaaaaaaai abi".
Eu explico que o pai não está, mas só acredita quando abro a porta.
E quando acorda desce da mini cama e vai pra lá, coisa linda!
Está assim, sabe o que quer, risos.
Me puxa e pede "abuti" ou "aua" (água) e me leva pra cozinha. A mesma coisa ele faz pra biscoito, já pão não, ele mesmo abre o armário e pega.

Outra coisa que notei é que quer mais atenção, ainda brinca e assiste tv sozinho,mas tem me solicitado mais, pra ficar sentada no sofá, olhando ele.
Não gosta muito de me ver no computador então, tenho tentando ficar aqui quando ele dorme. Fica me puxando e falando "aqui, aqui" e vou onde ele quer.
Adooooora o balanço que a Tia Marina deu, backyardigans e outros desenhos (cocoricó, galinha pintadinha, a era do gelo, monstros s.a., hi-5, etc.), música então, nem comento. Dança em qualquer abertura, kkkkkk!
A coisa mais engraçada é vê-lo sambando nas chamadas das escolas de samba, ele olha todo bobo pra gente e samba mesmo (Mamãe ensinou).

Noite dessas me deu dó, depois de quase 1 mês na caminha, caiu. Rolando com o Soninho dele na madrugada. Chorou de soluçar e com raiva do Soninho, jogou longe, aff.
Mas, fiz uma mamadeira pra consolar, pediu pra ir pra cama e dormiu novamente (achei que fosse traumatizar e não querer deitar lá).
Ah, é! Ele não gosta muito de ser ninado não, começo a cantar, balançar ele aponta pra cama e fala "aqui", coloco ele vira de lado, abraço o Soninho e dorme. É um rapaz!

Tem outra coisa que pede, pra passear. "Ua, cao, bibi" (Rua, carro, bibi) e faz o gesto do volante. Ainnnn! Vontade de morder.

É um bebê carinhoso, entende o "Não" da mamãe e do papai (que não são excessivos), não é pirracento, é sorridente, esperto, não gosta muito de comida, é sapeca, mexe em tudo, curioso, saudável...
Pra nós o que importa é isso.
É vê-lo correndo pela casa com cara de sapeca, cheio de felicidade.
Saber que nesse tempo só o que teve foram resfriadinhos, de tão saudável.
Sentir que é cercado de amor, exatamente por obter como resposta, carinho, abraço, beijo.
Mostrar pra ele que é amado e está seguro.

E isso é tudo!