quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

Gravidez tranquila, filho tranquilo. Será?

Bom queridas...desde que engravidei me empenho ao máximo pra ler e estar sempre informada sobre:
cada semana gestacional,
cada coisa importante que estava acontecendo em meu corpo,
cada exercício,
cada cardárpio,
cada atitude e principalmente como o meio exterior, minhas atitudes e minha reação a cada coisa (estresse, euforia, felicidade) influenciariam na personalidade e até no organismo do meu bebê.

Daí, você me pergunta, como?
Claro que sozinha, não conseguiria fazer isso e tive a ajuda primordial do meu marido.
E nossa gravidez foi a mais tranquila possível.
Decidimos que assim seria quando em minha primeira gravidez, que foi gemelar e durou quase 3 meses, sofri abortamento.
Como me estressava demais onde trabalhava, observei que isso poderia ter me afetado e claro influenciado, não ter sido o motivo único, pois acredito ter sido má formação o que acontece na maioria dos abortamentos.
Mas, algum tempo depois de ter sofrido essa perda, fui demitida. Pois é.
E com isso percebi que, a minha intenção de ter filhos não era bem quista onde estava.
Então, como tentaríamos novamente, melhor que não voltasse a trabalhar e curtisse minha gravidez em casa, não passaríamos aperto e assim foi feito.

A segurança passada pelo meu marido naquele momento me fez uma pessoa mais tranquila.
E em novembro de 2007, engravidamos do Otto.

Desde então e por toda a gravidez procurei não me aborrecer, o Gustavo só chegava em casa com notícias agradáveis e interessantes, os problemas ficavam do lado de fora (quando era possível).
Me alimentei bem, passeava bastante, fazia pesquisa de preço, ria muito com minhas irmãs e prima.
Claro que também conta o fato do universo conspirar a favor da grávida, na grande maioria das vezes, e acontece que as pessoas que se "achegam" tem sempre um sorriso, uma palavra carinhosa, uma energia boa.

Tomei todas as vitaminas, fiz tratamento odontológico, tomei flúor e tudo mais que a Gineco receitava ou recomendava. Mas claro que, como a maioria das grávidas, achei que podia tudo e comi messsmo.
Quero mostrar, relatando a vocês tudo o que fiz e passei, que o importante é manter-se calma, relaxada, tranquila.

Sempre pensava no bem do meu bebê.
Não queria que ele sofresse de cólica então não comi chocolate ou tomei refri na gravidez.
Não queria que fosse nervoso ao extremo então sempre respirava fundo ou conversava expondo quando algo não me agradava e procurava evitar transtornos sempre.
Quando a conversa não me agradava, levantava com a desculpa de ir ao banheiro e não voltava mais pra roda.
E assim segui, ouvindo muito palpite, dicas do arco da velha.
Segui balançando a cabeça e as vezes, sério mesmo, nem ouvia. Não por maldade, mas por abstração mesmo.

E por enquanto, consegui!
Meu bebê nasceu e não teve cólicas, mamou até 1 ano e 2 meses e largou porque quis, era e é super calmo (hoje com 1 ano e meio), sapeca, esperto, falante, mas nunca estressado ou nervoso. E não demonstrou até agora ser ansioso.
Claro que ainda demonstrará muitos de seus defeitinhos, mas pelo menos no que me competiu não somatizar, parece-me que consegui.
E fico feliz por poder proporcionar ao pequeno um primeiro ano sem sofrimento voraz, com alguns resfriadinhos e nada mais.

Com isso, observei algumas amigas que tiveram gravidez (tranquilas ou não), em épocas próximas a minha e vou relatar dois casos (o que não me dá certeza absoluta de nada):

O primeiro da minha irmã que teve uma gravidez movimentada, com estresse no trabalho. E o resultado é a Isabella, linda...mas elétrica, um pouco insegura (não sabe ficar longe da mãe), mamando desesperadamente, como se esfomeada estivesse (mas na minha opinião é ansiedade mesmo).
O que me leva a crer, que a gravidez pode sim influenciar no estado emocional e até na personalidade da criança.

O segundo de uma coleguinha, que também teve uma gravidez conturbada por problemas mil e está aí seu filhote, páreo duro com Isabella.
Esse, não mamou no peito, a mãe não teve leite por conta de estresse mesmo.
É elétrico, um pouco ansioso também.

Observei então que a gravidez tranquila trouxe criança tranquila.
A gravidez conturbada trouxe criança ansiosa, elétrica e as vezes estressada.

Gente, esse tema é coisa minha.
Nascido de obervações de pessoas ao meu redor.
Procurei na net algo a respeito e não achei. Só coisas relacionadas a alimentação, exercício e gravidez e filhos tranquilos.

Percebi e quero dividir com outras gravidinhas que, se policiem para que tenhamos no futuro:

filhos melhores para nosso mundo e não só um mundo melhor pros nossos filhos.

Abraços e beijos

Jana.

6 comentários:

  1. Que post legal!! Tive uma gravidez muito tranquila tbm. Cortei refrigerante, chocolate e porcarias no geral. Gabriel mamou no peito até 1 aninho. Até então, nao sabia o q era ter uma criança doente em casa. Ele é muito esperto, calmo, super independente. Tenho certeza q a gestação influencia, e muito na personalidade, na saúde e no estado emocional da criança. Concordo plenamente com vc!
    Bjos
    Vivian e Gabriel

    ResponderExcluir
  2. hola! Eu realmente gostei deste blog

    ResponderExcluir
  3. Que bom que gosta Karen, pena não poder deixar recado na sua página.
    Visite-nos sempre.

    ResponderExcluir
  4. A gravidez é um momento para ambos será muito mais o bebê no peito assim que precisam de tomar ácido fólico e leite para caminhar e fazer exercícios regularmente, propecia and hair loss obrigado.

    ResponderExcluir
  5. Parabéns Jana, adorei sua matéria!!! estou com 10 semanas e pretendo seguir todos os seus conselhos...

    Beijos!!!
    Juliana

    ResponderExcluir
  6. Juliana, parabéns pela gravidez e seja bem vinda ao blog.

    ResponderExcluir

Obrigada!
Fico muito feliz sempre que leio um comentário carinhoso!
Bjks e fique com Deus!