sexta-feira, 8 de maio de 2009

Meu Primeiro Dia das Mães.


Pois é...Dia das Mães.
Resolvi tentar escrever as minhas emoções destes nove meses como mãe do Otto.

Descobri nesses nove meses de vida do Otto que ser mãe é um sentimento que ultrapassa os limites do meu corpo, da minha mente, é como se independesse de mim sentir esse amor, ele existe e pronto. Não preciso fazer força. Ele simplesmente surge e vou descrever como, ao meu ver.

Acho que ele surgiu realmente na primeira mamada, quando percebi, com lágrimas nos olhos, que aquela coisinha linda, inocente e cheia de gana de viver, precisava só de mim pra se alimentar e aquele momento passou a ser SAGRADO. E senti criar um laço de confiança, segurança, daí pensei: o amor é isso. Mas, fui vivendo intensamente cada novidade inicial e percebi que o amor estava em tudo que se relacionava aquele serzinho.
Estava também na primeira troca de fralda, quando antes eu via as outras mães trocando e torcia o nariz pensando, como ela podia fazer aquilo sem nojo. Ou então, que fedor...E agora nem cheiro sinto ou se sinto, passa despercebido, afinal, é meu! E ai de quem falar que fede, kkkkk!
E ele fez um mês e veio o primeiro sorriso, para a mamãe, claro! Parece que era uma forma de agradecimento, para me recompensar por toda dedicação dada até então.
E este amor surge e cresce imensurávelmente a cada mês, a cada dia, a cada hora, a cada minuto.
Daí percebo que não vai parar de crescer, que não vou parar de me alegrar, que não tenho motivos pra ficar triste, nem se acordo na madrugada (embora às vezes levante destruída e reclame um pouquinho, risos!) com um chorinho gostoso e um balbucio de "mama". Palavra mágica que me fez ligar para todos e dizer que ele falou Mamãe. As pessoas acham lindo, mas só quem passou por isso pra saber a emoção desse momento.

E aí eu penso: É para sempre.

E percebo que perdi o rumo, as rédias do meu sentimento (amor), quem manda nele é esse serzinho. E quando me dou conta, amo mais a ele que a mim mesma.
E percebo ainda, que todas aquelas coisas de estar sempre com cabelo lindo, roupa cheirosa, rosto maquiado perde um pouco a importância, porque na verdade quero ver meu filho assim, lindo e cheio de saúde sempre!
E lembro ainda quando as já mamães tentavam expressar o tamanho desse amor pra mim quando estava grávida ou mesmo quando ainda nem pensava em ter filhos e eu não conseguia mensurar e pensava: ahhhh, tá exagerando.
Gente, era tudo verdade. Só que só da pra saber quando se vive esta mágica.

E com tudo isso e muito mais, me dou conta de que não tem como descrever o amor que existe entre mãe e filho.
Que todos os poemas do mundo não conseguiriam transmitir, a que não passou por isso, a veracidade da emoção, o calor e a intensidade desta experiência.
Então, queridas e queridos, chego enfim a conclusão nesta minha tentiva de escrever minha emoção que:

Ser mãe é algo impossível de ser explicado. Tem que ser vivido!


Feliz Dia das Mães!

Janaina Figueiredo

3 comentários:

  1. Oii querida!
    Parabéns pelo dias das mães!
    lindas suas palavras, para béns pelo filho maravilhoso que vc tem!
    beijão fica com Deus

    ResponderExcluir
  2. oi amiga! te vi no e-family e addicionei o teu blog na minha listinha! me visita lá!!

    beijooooo

    ResponderExcluir
  3. Se era Para emocionar, conseguiu!!
    Estou com os olhos marejados!!
    Mas é isso ser mãe é tudo e muito mais!
    Parabéns mamãe!!!

    ResponderExcluir

Obrigada!
Fico muito feliz sempre que leio um comentário carinhoso!
Bjks e fique com Deus!