domingo, 22 de novembro de 2009

Pirracinha, será falta de limites?

A opinião de uma mãe e observadora:

Acho que toda mãe conhece essa fase, senão, ainda vai conhecer. Será isso falta de limites?
Bom vou postar minha opnião sobre o assunto e claro a de um profissional.
Claro que existem níveis de pirraça, isso mesmo, níveis, risos. Vou postar aqui, minha conclusão como observadora:

Nível 1 - a criança faz pirracinha se debatendo e ameaçando chorar, resmungando mesmo. Mas se não dermos importância (que é o que faço), ela mesma esquece em segundos, logo que encontra um brinquedo ou algo que chame sua atenção (esse é o caso do Otto).

Nível 2 - ela já é mais ousada, esperneia, dá gritinhos, mas um simples não ou olhar dos pais consegue contornar a situação não deixando evoluir.
Tudo pra chamar sua atenção. Sei que é difícil, mas temos que tentar mostrar a criança quem tem o domínio da situação. Se ela percebe que consegue sim chamar sua atenção ou até mesmo te irritar, ela vai seguir fazendo isso, infelizmente.

Nível 3 - esse é o pior dos níveis, é aquele em que a criança se joga no chão, grita, se debate, esperneia, em suma, dá show. Situação com a qual, nenhum de nós está acostumado ou sabe como lidar. Eu pelo menos não saberia.

O que fazer numa situação dessas?
Tem uma colega que conta que a filha fez isso no shoping, ela simplesmente seguiu em frente desviando da filha e se escondeu. A criança percebendo que não estava sendo assistida por sua platéia predileta parou, olhou pros lados e começou a balbuciar: "mamãe".
O segurança viu a criança sozinha e ia em sua direção quando a mãe sinalizou pra deixá-la procurando só um pouquinho, risos, essa tem fibra, risos.
Esperou um pouco, apareceu pra filha e disse: "nunca mais faça isso, senão te deixo onde estiver sozinha, entendeu?"
E nunca mais a filha deu show. E ela é VENCEDORA.
Mas me pergunto, será essa a melhor atitude a ser tomada. Nesse caso, sim. Mas cada um a sua maneira, tenho em mente, que não funcionaria com todas as crianças.
Acho sinceramente, que faria algo parecido, porque na minha opinião ficar "batendo boca" com a criança na hora da pirraça só a estimula mais a fazer, porque na cabecinha dela de uma forma ou de outra ela consegue sua atenção.

A opinião de um profissional:

"Devemos pensar que os pais, como adultos, precisam ter o controle da situação. Para isso, é importante que eles conheçam de onde vem essa dificuldade desenfreada das crianças em compreenderem as regras e internalizá-las. Precisam pensar também por que afrouxam tanto os limites. Do que têm medo quando estão diante destas crianças que os pressionam com choro, gritos e esperneio?

A criança ao nascer não se vê separada do mundo que a cerca. Inicialmente, sente como se ela e a mãe fosse uma unidade. Como a mãe, nos primeiros dias e meses, está geralmente ali pronta para servi-la, a criança não consegue perceber que é um ser diferente dela. Porém, conforme vai crescendo, começa a notar que nem tudo acontece no tempo em que deseja - e fica irritada, por exemplo, quando a mãe demora a dar o peito, chora porque quer colo etc. Esses "desencontros" são importantes para que a criança nasça psiquicamente. Este "nascimento" se dá por volta dos seis ou sete meses de vida.

Se tudo aconteceu a contento, a criança, nesta fase, já sabe quem é a mãe e quem são as outras pessoas próximas. No entanto, esse saber não é o suficiente para que ela desista de ter o mundo girando à sua volta, pronto para servi-la. Por isso, ela demonstra raiva e tristeza para tudo o que lhe incomoda: vai chorar porque a mãe demora a voltar do trabalho, vai chorar porque quer o colo na hora em que os pais estão jantando, vai chorar quando vê os pais se abraçando, sem dar atenção a ela. Por quê?

Ela vai tentar todo o tempo buscar aquelas primeiras sensações, quando todos pareciam estar prontos para atendê-la.

Nesses primeiros meses e anos, será construída a base para que a criança cresça de forma saudável e seja capaz de enfrentar as dificuldades que a vida poderá lhe impor. Por este motivo, os pais precisam dar disciplina aos pequenos desde cedo. Não existe uma vida de facilidades e os "nãos" que a vida costuma impor a nós, seres humanos, também serão dados os nossos filhos. Acredite: a criança sofrerá muito mais se crescer acreditando que o mundo (a escola, a sociedade, o patrão, o cônjuge) irá tratá-la como príncipe ou princesa!

Lembre-se: crianças sem limites costumam se tornar adolescentes tiranos!

Não pense que você está sendo um bom pai ou uma boa mãe porque pode dar "tudo" o que o seu filho quer. Não pense também que será mais amado por ele porque está sempre pronto a atendê-lo e porque tolera o intolerável!

Crianças não são ingênuas. Ao contrário, percebem desde muito cedo a melhor forma de seduzir os pais e as pessoas próximas. Percebem as fraquezas dos pais e sabem exatamente como convencê-los. E os irmãos, tios, avós, primos, amigos, namorados, professores, chefes... estarão disponíveis a atender suas manhas e seus excessos?

E como resolver?

Quando seu filho estiver teimando, fazendo birra, certamente, além de não perceber os próprios limites, está colocando os seus em xeque. O que fazer nesta hora?

Segure-o pelos braços firmemente. Atenção: firmemente não significa machucá-lo, mas com a força necessária para oferecer à criança a contenção que ela precisa. Olhe também dentro de seus olhos e peça a ela que olhe de volta e, só então, fale com calma e pausadamente o que você quer que ela faça ou deixe de fazer. Pode dizer a ela que você entende o motivo que a leva a chorar, pois você sabe o quanto é chato não conseguir algo que queremos. Diga também que você sabe que muitas vezes ficamos chateados, com raiva ou tristes. Só não deixe de falar que o choro não mudará em nada a sua atitude naquele momento.

E não se esqueça: você realmente precisa acreditar no que está falando e, mais do que qualquer coisa, fazer valer as suas palavras".

Mônica Donetto Guedes é psicanalista, psicopedagoga e pedagoga do Apprendere Espaço Psicopedagógico.


Fonte: http://bebe.bolsademulher.com//1a3anos/materia/pirraca/53942/1


3 comentários:

  1. Sensacional este post, Janaina! Vou mandar o link pra umas amigas que estão precisando muito ler isto!
    E...sabe, eu ia mesmo perguntar se a foto do post sobre desmame tinha sido feita na Criarte, ou, se vc estava nos "traindo" hehehehe
    Ahhh sobre o acidente doméstico que vc falou no outro post...vc já está bem? Fiquei preocupada! Bjs

    ResponderExcluir
  2. Esse post veio a calhar com o que me aconteceu essa semana. Isabella é uma pirracenta de primeira e é daquelas que mesmo você fingindo que não está vendo ela continua a pirraça.
    Eu estou tentando de todas as formas contornar isso.
    Obrigada pelas informações que trouxe no post. bjs

    ResponderExcluir
  3. essa semana bella queria mexer no fio da antena e como eu dizia que , ela simplismente trincava os poucos dentes que tem e chegava bem perto do meu rosto e reclamava ... como quem diz eu posso fazer isso , mas ainda assim nao deixei.. chorou e se sacudiu um pouco mas logo esqueceu.. o pai falou: se nao deixar ela ate te bate... kkk engraçado mas serio... devo ter mais controle sobre ela..

    ResponderExcluir

Obrigada!
Fico muito feliz sempre que leio um comentário carinhoso!
Bjks e fique com Deus!